7 conselhos que a gente ouvia nas músicas dos anos 90 – e não deu muita atenção

Aposto que, se você é dos anos 90, pegou Destiny’s Child cantando “Survivor”, viu Madonna dando uns beijos na Britney em pleno VMA e até deu uma choradinha ao som de “Don’t Speak” com alguma crush que não deu certo.

Pois é. E muitas dessas músicas que faziam parte das suas playlists traziam conselhos valiosíssimos que simplesmente ignoramos. Duvida? Então vem cá:

1 – “If you want my future, forget my past”

Já diziam as Spice Girls em “Wannabe”: se o contatinho tá julgando quantas bocas você já beijou, não dá pra ir em frente. E a gente ouviu?

2 – “If you wanna be my lover, you gotta get with my friends”

Ainda em “Wannabe”, lá estavam as Spices falando para você botar os migos em primeiro lugar. Afinal, “friendship never ends”. E pra relação dar certo, eles precisam no mínimo se entender.

3 – “No, I don’t want no scrub

A scrub is a guy that can’t get no love from me

Hanging out the passenger side

Of his best friend’s ride

Trying to holla at me”

Você também cantava “No Scrubs” sem nem saber sobre o que o TLC tava falando? Então, era um alerta para você não aceitar boy lixo!

4 – “’Cause I’m just a girl, little ‘ol me

Don’t let me out of your sight

I’m just a girl, all pretty and petite

So don’t let me have any rights”

A musa Gwen Stefani já falava nessa época sobre feminismo e direitos iguais. Mas com sarcasmo e com o jeitinho que só o No Doubt tem de grudar as músicas na sua cabeça.

5 – “The girls need a break – tonight we’re gonna take

The chance to get out on the town

We don’t need romance – we only wanna dance

We’re gonna let our hair hang down”

Esse clássico do karaokê da Shania Twain prova que ela já era rolezera antes mesmo da gente saber o que era rolê. Parece que esse conselho pelo menos todo mundo seguiu, né?

6 –Question: Tell me what you think about me

I buy my own diamonds and I buy my own rings”

Beyoncé já era a favor do girl power há muito tempo, cantando com o Destiny’s Child sobre ser uma mulher independente e forte, inspirando muita gente por aí. Não é Queen B por acaso, né não?

7 – “I’m a bitch, I’m a lover

I’m a child, I’m a mother

I’m a sinner, I’m a saint

I do not feel ashamed”

Para terminar, a gente traz “Bitch” da Meredith Brooks. E seu conselho com a música era: tudo bem não ser uma coisa só, não precisa mudar por ninguém. Seu boy, aparentemente, tava um pouco confuso, mas ela deixou claro que é ~seu jeitinho e só resta aceitar.

Lembra de algum outro conselho dessa época? Divide com a gente!

Bruna Manfré

não é boa com descrições.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *