“O Irmão Alemão” – Resenha

IMG_9785 - 2

O Irmão Alemão, por Chico Buarque
★★½

Sinopse:
A narrativa se estrutura numa constante tensão entre o que de fato aconteceu, o que poderia ter sido e a mais pura imaginação. Na São Paulo dos anos 1960, o adolescente Francisco de Hollander, ou Ciccio, encontra uma carta em alemão dentro de um volume na vasta biblioteca paterna, a segunda maior da cidade. Em meio a porres, roubos recreativos de carros e jornadas nem sempre lícitas a livros empoeirados, surgem pistas que detonam uma missão de vida inteira.

Esse foi o primeiro livro de Chico Buarque que li, e apesar de todo mundo sempre falar o quanto ele é incrível, nunca dei muita bola, então as expectativas não estavam muito alta. Mesmo assim, não detestei o livro apesar do que pode parecer. Provavelmente teria gostado mais se eu soubesse sobre o que era (não sou lá muito fã de ler sinopses antes de ler um livro, normalmente só sei qual o gênero e algo sobre o autor. No caso desse livro, só sabia quem era o autor).

IMG_9788

O Irmão Alemão é uma obra de autoficção. Em outras palavras, o autor escreve a própria história de forma ficcional, como em um romance. A leitura é rápida, embora cansativa em alguns pontos por o ritmo se manter sempre o mesmo, e ele é bem menor do que as 240 que vem nele – por causa do tipo da diagramação, o texto fica bastante centralizado na folha e foi impresso em uma fonte maior do que se usa normalmente. Há também imagens, em geral fotocópias de uma página de livro ou de uma carta.

Por ser próximo de uma autobiografia, não há nada realmente surpreendente na história mas não deixa de ser interessante, especialmente se você tem interesse no artista Chico Buarque de forma geral.

Título: Irmão Alemão, O
Autor: Chico Buarque
ISBN: 9788535925159
Editora: Companhia das Letras
Páginas: 240
Classificação: ★★½

Bells Cavalcanti

Fiction is a lie that tells us true things, over and over

Um Comentário:

  1. Muito interessante ele escrever uma história da vida dele de forma ficcional, acho que fazemos muito isso quando pensamos como poderia ter acontecido tal coisa, não é meso? Beijos e amei a resenha

    Vanessa | http://closetdelivros.blogspot.com.br

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *