Zá, não faz “Tanto Barulho” que a gente gama

za-shelter

Foto: Alexia Santi

Numa das minhas últimas conversas “na academia” (e que fique claro que me refiro à maravilhosa ECA e não, você sabe, àquela que envolve esforço físico), o assunto recaiu sobre o empoderamento feminino através da música – porque é nesse tipo de conversa que você acaba se metendo por lá. Fazendo uma previsão do futuro, me garantiram que o número de artistas femininas aumentaria imensamente.

Sabe por quê? “Porque as mulheres são muito mais complexas e abordam toda uma gama de assuntos que ainda não foram explorados”. Olhando retrospectivamente para esse ano, não parece que estávamos tão longe da verdade. Desde o hype do Haim até a genialidade da St. Vincent, acompanhamos o crescimento de muitas.

Por aqui, não anda tão diferente assim. A Pitty voltou com tudo, a Bianca estourou desde que teve sua música como tema da Malhação e agora podemos acompanhar a cantora nos últimos preparativos para seu segundo álbum.

Não faz muito tempo, ela divulgou a inédita “Tanto Barulho” com um clipe assinado por Marcelo Perdido, que você pode ver aqui embaixo:

Na ativa desde 2010, Zá não se limita a um gênero, apesar da tendência ao pop, buscando referências em Stevie Wonder, Wilco e Chitãozinho e Xororó – todos esses devidamente representados em seu soundcloud. Para facilitar sua vida, já encontrei a fanpage também.

Bruna Manfré

não é boa com descrições.

Um Comentário:

  1. Pingback: Os dois “Vês” da Zá – SHELTER

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *