10 coisas que você nunca soube sobre o “Physical Graffiti” do Led Zeppelin

O primeiro álbum duplo do Led Zeppelin virou quarentão no dia 24 de fevereiro e, para acompanhar a onda dos relançamentos que começaram no ano passado, Jimmy Page remasterizou mais esse para botar na conta.

led-zeppelin-physical-graffiti

Depois de ouvir um disco adicional recheado de músicas nunca antes lançadas, a gente até apaga a velhinha e dedica o primeiro pedaço do bolo para ele, que chegou a receber um prêmio para Classic Rock “Reissue Of The Year” com os primeiros cinco álbuns do Led. Já imaginou o trabalho?

A versão digital já está pelo iTunes e você também pode ouvir pelo Spotify enquanto fica sabendo de dez curiosidades que talvez não tenha ouvido ainda sobre as gravações desse clássico:

1 – Jimmy contou isso aqui sobre o riff icônico de “Kashmir”: “Eu já tinha ele pronto antes de ir para lá (para as gravações). Estava mexendo em uma música e bem no finalzinho encaixei o riff. Pensei ‘Uh-oh. Isso é algo que eu quero mesmo tentar’. Mal podia esperar estar na (casa de campo) Headley Grange com John Bonham para trabalhar nele.”

2 – O álbum foi gravado durante a primavera de 1974 em uma casa de campo do século XVIII, a Headley Grange. Jimmy Page tinha um quarto na casa congelante (e, dizem, mal assombrada), mas o resto da banda preferiu se acomodar num hotel fazenda próximo. Com motivo?!

3 – Para finalizar as gravações, a banda usou o estúdio móvel do Ronnie Lane, baixista do Faces – uma alternativa mais em conta que o estúdio do Rolling Stones usado para gravações anteriores.

4 – Numa manhã, durante as gravações, John Bonham chegou carregado de um saco com mais de 1500 pílulas de Mandrax. Ele pretendia esconder do resto da banda dentro da bateria, só tinha um detalhe que estragava o plano brilhante: ela era de acrílico. Gênio.

5 – Mais uma sobre Bonham, dessa vez contada pelo engenheiro de som Benji LeFevre: “Como grande parte dos bateristas, Bonzo tendia a passar dos limites, mais que as outras pessoas. Às vezes, ele era particularmente cruel com Mick Hinton – seu roadie. Bonzo podia acertar um soco em sua cara sem motivo nenhum.”

led-zeppelin-live

6 –In My Time of Dying” é “livremente inspirada” em “Jesus, Make Up My Dying Bed” do bluesman Blind Willie Johnson. Outra variação da mesma música foi gravada por Bob Dylan, ambas fazendo jus à original.

7 – John Paul Jones quase saiu do Zeppelin antes das gravações desse álbum para virar diretor do coral da lendária catedral de Winchester. Ainda bem que recusou o convite!

8 – Os edifícios da capa são os mesmos que aparecem de fundo para Keith Richards e Mick Jagger em “Waiting On A Friend”. O designer responsável pela capa, Peter Corriston, disse que procurava um edifício simétrico e com detalhes interessantes.

9 –Black Country Woman” foi gravada no jardim do fundo da casa de Mick Jagger, a Stargroves, em 1972. Aliás, gravações ao ar livre se mostraram bem complicadas, ninguém sabe como eles ainda insistiram na ideia. Uma vez, ainda no Headley Grange, Robert Plant tentou cantar uma música do lado de fora da casa, mas foi atacado ferozmente por um ganso que achou que fazia melhor.

10 – As gravações de “Physical Graffiti” pararam por várias e várias semanas quando um dos roadies, Peppy, entrou com o carro novo do John Bonham – “só” uma BMW 3.0 CSL – na parede. Bonzo ficou tão puto que Peppy se escondeu no armário por 36 horas.

Bruna Manfré

não é boa com descrições.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *