7 músicas do Bush para saber de cor no show

Ainda essa semana, rola a dobradinha grunge com Stone Temple Pilots e Bush em São Paulo. As bandas invadem o Credicard Hall a partir das 21h, dia 14, com sua Revolución Tour. Estamos só no esquenta, ouvindo aquelas músicas para saber de cor.

O Bush estourou no auge do grunge, em 1992, vindo direto da Inglaterra. Na formação original, contávamos com Gavin Rossdale assumindo os vocais e a guitarra. Nigel Pulsford também cantava, tocava guitarra e violino, quando precisava. Sacha Gervasi ficou com bateria e percussão, enquanto Dave Parsons era o baixista.

Nessa formação, mais relevante, lançaram “Sixteen Stone”, “Razorblade Suitcase” e “The Science of Things”. Lembra de “Swallowed”? Então, a música figura em várias playlists até hoje, mas é cria do debut deles.

Claro que ela, assim como muitas dessas criações, compõe o setlist do ao vivo da banda até hoje – mesmo em outra formação. Por isso, separei 7 músicas que muito provavelmente vão entrar pra setlist do show. Entra no clima também!

1. Machinehead

Talvez você se lembre de “Machinehead” do Guitar Hero, mas, em 1997, o Bush levou um MTV Movie Awards por melhor música em trilha sonora – o que não fez muito sentido, já que, no ano anterior, a mesma faixa foi esnobada pelo júri.

Além de aparecer na trilha de “Fear”, thriller psicológico com Reese Witherspoon e Mark Wahlberg, foi adotada por lutadores, time de hóquei e até como abertura de programa de rádio. Daqueles hits dos anos 90 que você reconhece pelo riff!

 2. The People That We Love

Apesar da boa fase com a formação original, não dá pra dizer que a banda flopou depois disso. Tanto que o primeiro hit que emplacaram com o álbum “Golden State” foi “The People That We Love”.

A música chegou ao top 10 da Billboard – não sem antes uma mudança de nome. Originalmente, ela chamava “Speed Kills”, mas, com o ataque de 11 de setembro, rolou essa homenagem.

https://youtu.be/ytVyzMp5KAg

3. Glycerine

Show do Bush que se preze não pode passar sem “Glycerine”, que geralmente fica guardada pro encore. A balada, também presente em “Sixteen Stone”, vai em um crescendo e tem até referência a “Strawberry Fields Forever”, do Beatles.

4. Comedown

Sabe quando você tá em um relacionamento e o conflito de personalidades começa a pesar? “Comedown” é um retrato desse momento, saído de “Sixteen Stone”. Esse foi o terceiro single do debut e chegou ao top 3 das músicas de rock.

Aliás, a música também apareceu na trilha sonora de “Fear”, mas dessa vez para embalar o segundo date de Nicole com David.

5. The Chemicals Between Us

Saída do terceiro álbum do grupo, “The Chemicals Between Us” fala sobre “as diferenças e distâncias entre as pessoas”, segundo o vocalista. Apesar do riff de hard rock, ela se destaca pelos elementos eletrônicos e a percussão mais dançante.

Ah, talvez você também reconheça essa da trilha sonora de “Charmed”.

6. Everything Zen

Apesar do nome, “Everything Zen” é a menos good vibes das músicas do “Sixteen Stone” que a gente trouxe por aqui. É ela também que abre o álbum com um dos mantras pessoais do Rossdale.

7. Swallowed

Para o fim, deixei a minha preferida (como deu para perceber). “Swallowed” fez o Bush passar direto na prova de fogo do segundo álbum – ela foi o primeiro single de “Razorblade Suitcase” e até hoje o maior sucesso deles na terra da Rainha.

Tanto que apareceu depois no álbum de remixes “Deconstructed”, no ao vivo “Zen X Four” e na compilação de grandes hits.

Bônus: Letting The Cables Sleep

Baladinha por baladinha, preferia ouvir “Letting The Cables Sleep” na setlist, mas tem uns bons dois anos que ela não entra no corte. De “ER” a “Charmed” e “Cold Case”, foi campeã em trilhas sonoras (e no meu last.fm também).

E você, qual outra queria ouvir ao vivo?

Bruna Manfré

não é boa com descrições.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *