7 pensamentos que você tem ao ler “Lugares Escuros”

Sabe aquela sensação que você tem quando consegue se esquivar de algum filme e realmente ler o livro antes? É um misto de vitória feat. alívio por ter se mantido forte com a tentação logo ali ao lado, às vezes até na Netflix. Quando o livro é bom, então, você nem acredita.

E “Lugares Escuros”, da Gillian Flynn, definitivamente é – daquele tipo que você anima a não largar até terminar.

Com direito a cicatriz de amor rs

Nossa resenha saiu um tempo atrás, pela Bells, mas se você não é familiar à história, calma que eu te explico: em 1985, acontece um massacre em uma família do interior do Kansas. Da tragédia, sobrevivem a filha mais nova da família e o mais velho – que é culpado pelos assassinatos e preso. Mais de vinte anos depois, Libby, a sobrevivente, volta a investigar o caso por n motivos, revivendo memórias tensas.

Durante a (rápida) leitura, ficaram alguns questionamentos que a gente divide com quem também se aventurou ou pretende começar (vou tentar não dar nenhum spoiler, juro!):

1 – Quem teve a brilhante ideia de escalar a Charlize Theron?

Nada contra a Charlize, muito pelo contrário. Ela é um mulherão da porra, mas não bate em nada com a descrição da Libby que é apresentada logo no começo – baixa, miúda, traumatizada.

Um papel que talvez funcionasse para a Emma Stone, na mesma linha do que ela fez em Birdman. Ou até a Dakota Fanning, se conseguisse envelhecer uns aninhos para o papel.

2 – Qual é a desse pessoal dos anos 80 e 90 com satanismo?

Quer dizer, nem estamos falando só do livro. Foram vários os casos dispensados pela polícia mesmo na vida real. Surgia a hipótese de culto satânico e pronto, caso resolvido. Um dos mais notórios foi o “West Memphis Threes”, em que três adolescentes foram presos pelo assassinato brutal de três crianças de oito anos. Saiu até livro e filme, “Devil’s Knot”, questionando a falta de provas – além do apoio público de Eddie Vedder e Peter Jackson para que soltassem os três.

Isso sem contar quem se interessava real oficial pelo assunto – até hoje rolam vários boatos sobre Jimmy Page que a gente bem sabe.

3 – Falando nisso, “Satanás” é uma tradução escrotíssima, né?

Que eu nunca encontre algum livro usando “Satanás” se for para convencer como thriller. Dá para levar a sério? Porque a única coisa que consigo pensar é nisso aqui, ó:

4 – Será que faz mal dar uma espiadinha nos próximos capítulos?

É por aí que você percebe quando um livro é bom e quando não é. Quando o autor sabe te segurar, bate até a ansiedade e você começa a considerar se pode dar uma espiadinha nos próximos capítulos. Spoiler: não faça isso!

5 – Quem são essas mulheres que se apaixonam por serial killers? Onde vivem? Do que se alimentam?

Vocês já repararam que alguns líderes de culto e serial killers viram praticamente celebridades? Só o Charles Manson recebia altas propostas de casamento. Quem são essas mulheres?

Sério, tenho a curiosidade desde As Garotas, que, aliás, dá uma boa visão de quem entra para cultos. Então se você já viu algum filme, documentário ou livro sobre o ~nosso Globo Repórter, manda aí a sugestão!

6 – Até que dá pra entender o lado do Ben.

Tudo bem, você começa o livro com o cara sendo apresentado como grande suspeito. Mas depois entra em seu ponto de vista e, sinceramente, quanta gente escrota, né não? Para começar pela própria família, com o pai que é dealer e a irmã enxerida.

Continua com a Diondra, mimada e forçada, até Trey, que dispensa comentários. Gillian tá de parabéns com a capacidade de conseguir fazer tantas pessoas detestáveis, de tantas formas diferentes.

7 – Não é possível que eu não tenha acertado em nenhuma teoria!

No fim das contas, você só quer saber mesmo o que aconteceu na noite daquele massacre. A cada capítulo, surge uma nova teoria baseada nas informações que são apresentadas. E a autora é mestre em guiar para uma pista errada.

Sem brincadeira, pensei em, facilmente, umas dez hipóteses diferentes para explicar o massacre e ainda assim não consegui acertar 100%.

Passou por alguma situação parecida? Animou para começar a leitura?

Aproveita para encontrar o livro aqui: https://amzn.to/2vLjxNE

Bruna Manfré

não é boa com descrições.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *