Playlist: influências de Dova Lewis para seu novo EP

Há um tempo, falei aqui sobre a Dova Lewis, canadense que explorou o jazz e a música francesa antes de se encontrar no indie dos anos 2000. Na época, ela lançava Lie, primeiro single de um EP de quatro faixas recém-divulgado.

O álbum traz toda a sua potência vocal em faixas que vão da explosiva Lie à balada acompanhada por piano que fecha esse ciclo com California. Pense em nomes como Florence Welch e Tori Amos.

Todo o processo criativo envolveu experiências coletivas, desde um período em uma floresta havaiana com outros artistas até uma residência em uma comunidade criativa de Los Angeles. Assinando a co-produção, está Darryl Swan, que já trabalhou com nomes como Erykah Badu e Macy Gray, e foi essencial para que ela chegasse nessa intensidade que imprime em seu trabalho.

Abertamente feminista, Dova dividiu com a gente algumas das músicas que fizeram parte do seu repertório enquanto escrevia esse primeiro EP. E pode esperar aí desde a vulnerabilidade de Daughter até o Metric questionando a desigualdade de gênero.

Glass – Bat for Lashes

“To be made of glass” é um verso muito poderoso. Toda pessoa mais sensível vai se reconhecer um pouco nessa letra. Eu amo esse híbrido complexo entre um vocal mais frágil e puro, tipo cristal, sobre essa batida de bateria tribal.

Incomplete Kisses – Sampha

Para mim, essa é uma música sobre perder a oportunidade de se conectar e se mostrar vulnerável a alguém. Muitas vezes, o medo de ser abandonado faz com que a gente levante a guarda e termine com muitos “incomplete kisses” e histórias perdidas. Eu me vejo aí.

Home – Daughter

Já ouvi dizer que o meu single “Lie” tem muitas semelhanças com essa música. Ambas começam com um riff de guitarra e tem o som das baquetas, harmonias e muito reverb. Já sobre o tema da música, ele retrata muito bem o sentimento de querer ir para casa quando as coisas não parecem mais certas para nós.

Sad Day – FKA Twigs

Uma voz sussurrada cantando nostalgicamente sobre passar pelo mesmo dia de novo e de novo é algo que me toca. Nessa era covid, o tempo parece ter parado e fica a sensação de estar andando em círculos. Como ela diz nessa música, a tristeza pode afastar as pessoas, mas nós sempre esperamos amor.

Waste of time – Mø

Tem algo de hipnótico no primeiro álbum da Mo. Os vocais dela são viscerais e trazem muito sentimento, tudo ao mesmo tempo. Ela tem a mão para escrever músicas pop com uma vibe mais sombria. E quem nunca sentiu que perdeu seu tempo com alguém que partiu seu coração?

Glass Ceiling – Metric

Me identifico muito com essa música, que fala sobre a (falta de) luta por igualdade de gênero e também sobre o risco que assumimos quando falamos sobre isso. Ela foi escrita há quinze anos, mas ainda temos um longo caminho a percorrer. É absurdo pensar que alguns países ainda não permitem que garotas frequentem escolas, que a gente não receba um salário igual ou o direito de votar e escolher fazer ou não um aborto.

Bruna Manfré

não é boa com descrições.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *